This article was written by guest author Maria Berenice Dias, attorney; president of the Commission of Sexual Diversity of the Federal Counsel of the OAB [Ordem dos Advogados do Brasil (Brazilian Bar Association)]; national vice-president of the IBDFAM [Instituto Brasileiro de Direito de Família (Brazilian Institute of Family Law)]; and author of several works under the editorial label Magazine of the Courts [Revista dos Tribunais], Thomson Reuters. This is part of a series of opinion articles that were originally published in Última Instância in Brazil. The original Portuguese version can be found below. 

 

No one doubts that we live in the era of human rights, in which human dignity, the right to equality and respect of liberty occupy a place of emphasis. More and more, preoccupation with the inclusion of everyone in the scope of entitlement of rights and fundamental guarantees increases, mainly related to the vulnerable, invariably made up of minorities. There is no other justification for discrimination except that they are victims [from] certain segments of the population. If they didn’t correspond to segments of lower numeric expression, they wouldn’t be marginalized. And only the fact of being less numerous is what leads quilombolas [descendents of Afro-Brazilian slaves], Indians, gays, etc. to be defenseless targets of angry discourse, who can be set on fire, beat up and killed.

Within the segments of the excluded, LGBTI – lesbian, gay, bisexual, transvestite, transexual and intersexual – are the greatest victims, since they are as much the target of social rejection as of prejudice in the family context. And, among this population, transvestites and transsexuals are even more vulnerable. Since their sexual identity is more apparent, from very early on they are thrown out of homes, victims of bullying and homophobia in schools, end up abandoning studies and are unable to be inserted into the labor market.

In spite of the advance of civilizations, by religious influence, homosexual orientation was named homosexuality, and considered sin, crime, perversion and even a sickness. It was only in 1993 that the World Health Organization (WHO) excluded the idea of illness or disturbance. With this, the suffix -ism, which relates to illness, has been replaced by -ality, a state of being.

In the scope of the Law advances are also slow. Until 25 years ago, no country in the world lent legal effects to unions of persons of the same sex. Partners, still living together for decades, had no recognized rights. It was Denmark, in 1989, that admitted civil unions, still outside of Family Rights. For 15 years homosexuals couldn’t marry. This has only been possible since 2001, in Holland.

In Brazil, the temporary milestones were no different, although with a different rhythm. Actions were filed in civil courts, partners were considered business partners, needing proof of financial contribution of each one for the proportional division of assets accumulated during the period living together. The first decision of the Superior Tribunal of Justice was in 1998 [1] recognizing the homosexual union as a mere de facto partnership.

It was 15 years ago, in 1999 that the big change began. The Court of Justice of Rio Grande do Sul State attached the responsibility of Family Courts to judge the complaints involving homosexual unions.[2] In the following year, the same court recognized it as dealing with a stable union and not a mere de facto business partnership.[3] Following a trail of innumerable judgments, [4] The Federal Supreme Court, in 2011,[5] naming the unions as “homoaffective” [“homoafetivas”] conferred the same rights and duties of stable unions, which permitted access to marriage. First by conversion of the stable union to marriage [6] with by legal authorization soon to follow.[7] Resolution of the National Council of Justice[8] prohibited any authority to deny recognition of civil union and access to legal marriage by conversion.

Currently 18 countries allow gay marriage, as well as 17 American States. All by force of law. But in Brazil, this possibility passes as the decision of the Court.

In spite of the prejudice of which they are targets, of the persecutions they suffer, the legislator continues to be neglectful. They refuse to fulfill their obligation: to make laws. It is nothing more [than] prejudice disguised to protect society. It’s for no other reason that, until today, there hasn’t been any law approved that criminalizes homophobia or guarantees rights to “homoaffective” unions.

Perhaps the most surprising thing is the regression that has been witnessed. Religious conservatism keeps an eye on the National Congress and doesn’t spare efforts to input their beliefs, as if the country wasn’t secular, which means nothing more than respect for all religions. For fear of being labeled as homosexual, of not being re-elected, the politicians invoke biblical precepts to preach hate and discrimination.

Proof of this conservatism is the law project, entitled Family Statute [Estatuto da Familia] which, opportunistically, tries to confuse the process of the Family Statute so as to hinder it.[9] It seeks recognition of the plural concept of family, welcomed by the Federal Constitution and defined by the Maria da Penha Law as an intimate relation of affection.

In this picture the Brazilian Bar Association created Sexual Diversity Commissions in all the Sections and in countless Subsections, as well as a Commission in the context of the Federal Council. A group of jurists developed the Sexual Diversity Statute and proposals for constitutional amendments. The project also had the collaboration of social movements. It has the structure of a microsystem, as the legislation must be aimed at vulnerable social segments. Establish principles, guarantee rights, criminalize discriminatory acts and impose the adoption of public policies.

In the face of the enormous repercussion achieved by the Clean Slate Law [Lei da Ficha Limpa] a movement was triggered to solicit followers to present the Statute by popular initiative. For this, signatures are necessary from around a million and a half citizens. [10]

Certainly it is the only way to dribble around the negligent posture of the legislators who won’t plead for the initiative, ignoring the desire of the people. There is no other way for society to demand equal treatment of all, independent of their sexual orientation or gender identity. It’s the first time a social movement has taken place for approval of a law that ensures the rights of lesbians, gays, bisexuals, transvestites, transexuals and intersexuals.

It’s not a proposal that should depend on the participation of homosexuals only. It is a project of the people, to guarantee human rights to all citizens. After all, it takes us nowhere, to not see, not recognize, attempts to punish and even kill those who only want to have the right to be happy, with whoever they wish, the way they prefer. Those who have the duty to represent the people, cannot try to transform their own fears into laws.

[1] STJ [Superior Tribunal de Justiça (Supreme Court of Justice)], REsp [Recurso Especial (Special Appeal)] 148897-MG, 4ª T. [Tribunal (Chamber)], Rel. [Relator (Rapporteur)] Min. Ruy Rosado de Aguiar, j. 02/10/1998

[2] TJRS [Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (Court of Justice of the State of Rio Grande do Sul)], AI [Agravo de Instrumento (Interlocutory appeal)] 599 075 496, 8ª C. Cív. [Código Civil (‎8th Civil Code)], Rel. Des. [Desembargador (Superior Court Judge)] Breno Moreira Mussi, 06/17/1999.

[3] TJRS, AC [Apelação Cível (Civil Appeal)] 598362655, 8ª C. Cív., Rel. Des. José S. Trindade, j. 03/01/2000.

[4] Decisions available on the website www.direitohomoafetivo.com.br

[5] STF, ADI [Ação Direta de Inconstitucionalidade (Direct Action on Unconstitutionality) 4.277 e ADPF [Argüição de Descumprimento de Preceito (Fundamental Claim of Breach of Fundamental Precept)] 132, Rel. Min. Ayres Britto, jr. 05/05/2011.

[6] TJSP, Protocol nº 1209/2011, Trial Court Judge Fernando Henrique Pinto, jr. 06/27/2011.

[7] STJ, REsp 1.183.378 – RS, 4ª T., Rel. Min. Luis Felipe Salomão, j. 10/25/2011.

[8] Resolution 175, from 05/14/2013.

[9] PLS 470/2013, prepared by IBDFAM – The Brazilian Institute of Family Rights.

[10] Join the campaign through the website: www.estatutodiversidadesexual.com.br

Founded in 2004, Última Instância is the largest source of information on Law and Justice in Portuguese and one of the most traditional and specialized websites of Brazil. Its area of expertise, since its foundation, is the coverage of the judiciary sector and the great legal issues in Brazil. The portal publishes daily news, articles and columns on law, legislation and state. It is also meant to  be a space where students and professionals can find inputs and data for their everyday reflections and studies regarding the legal practice.

 

—————————————————-

Ninguém duvida de que se vive a era dos direitos humanos, em que a dignidade humana, o direito à igualdade e o respeito à liberdade ocupam lugar destacado. Cada vez mais aumenta a preocupação pela inclusão de todos no âmbito de tutela dos direitos e garantias fundamentais, principalmente dos vulneráveis, invariavelmente constituídos pelas minorias. Não há outra justificativa para a discriminação de que são vítimas determinados segmentos da população. Se não correspondessem a parcelas de menor expressão numérica, não seriam marginalizados. E o só fato de serem menos numerosos é que leva quilombolas, índios, gays etc. serem alvos indefesos de discursos raivosos, podendo ser incendiados, espancados e mortos.

Dentro dos segmentos dos excluídos as pessoas LGBTI – lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexuais, são as maiores vítimas, pois são alvo tanto do repúdio social como do preconceito no âmbito familiar. E, dentre esta população, travestis e transexuais são ainda mais vulneráveis. Como sua identidade sexual é mais aparente, desde muito cedo são expulsos de casa, vítimas de bullying homofóbico nas escolas, acabam abandonando os estudos e não conseguem inserção no mercado de trabalho.

Apesar do avanço das civilizações, por influência religiosa, a orientação homossexual foi nominada de homossexualismo, e considerada pecado, crime, perversão e até mesmo uma doença.  Foi somente em 1993 que a Organização Mundial da Saúde (OMS) excluiu a ideia de doença ou transtorno. Com isso o sufixo ismo, que designa doença, foi substituído pelo sufixo dade, que significa modo de ser.

No âmbito do Direito os avanços também são lentos. Até 25 anos atrás nenhum país do mundo emprestava efeitos jurídicos às uniões de pessoas do mesmo sexo. Parceiros, ainda que convivendo por décadas, não tinham qualquer direito reconhecido.  Foi a Dinamarca, no ano de 1989, que admitiu a união civil, ainda assim fora do Direito das Famílias.  Há 15 anos os homossexuais não podiam casar. Tal só foi possível a partir de 2001, na Holanda.

No Brasil, os marcos temporais não foram diferentes, ainda que em outro ritmo.  As ações tramitavam nas varas cíveis, os parceiros eram considerados sócios, sendo necessária a prova do aporte financeiro de cada um para a divisão proporcional do patrimônio acumulado durante o período de convívio. Data de 1998 a primeira decisão do Superior Tribunal de Justiça [1] reconhecendo a união homossexual como mera sociedade de fato.

Foi há 15 anos, no ano de 1999, que a grande mudança começou. O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul fixou a competência das Varas de Família para julgar as demandas envolvendo as uniões homoafetivas.[2] No ano seguinte, o mesmo tribunal reconheceu se tratar de uma união estável e não mera sociedade de fato.[3] Seguindo a trilha de inúmeros julgados,[4] o Supremo Tribunal Federal, em 2011,[5] nominando as uniões como homoafetivas, conferiu-lhes os mesmos direitos e deveres das uniões estáveis, o que permitiu acesso ao casamento. Primeiro por conversão da união estável em casamento [6] e, logo em seguida, mediante habilitação direta.[7] Resolução do Conselho Nacional de Justiça[8] proibiu a qualquer autoridade negar o reconhecimento da união estável e o acesso ao casamento direto ou por conversão.

Atualmente 18 países do mundo admitem o casamento gay, além de 17 Estados americanos.  Todos por força de lei. Mas no Brasil, tal possibilidade decorre de decisão da Justiça.

Apesar do preconceito de que são alvo, das perseguições que sofrem, mantem-se omisso o legislador. Recusa-se a cumprir com a sua obrigação: fazer leis. Nada mais do o preconceito disfarçado em proteção à sociedade. Não é por outro motivo que, até hoje, não foi aprovada qualquer lei que criminalize a homofobia ou garanta direitos às uniões homoafetivas.

Talvez o mais surpreendente seja o retrocesso que se tem presenciado. O conservadorismo religioso toma conta do Congresso Nacional e não mede esforços para impor sua crença, como se o país não fosse laico, o que significa nada mais do que o respeito a todas as religiões. Por medo de ser rotulado de homossexual, de não se reeleger, os parlamentares invocam preceitos bíblicos para pregar o ódio e a discriminação.

Prova deste conservadorismo é o projeto de lei, intitulado de Estatuto da Família, que, de forma oportunista, tenta confundir para embaraçar a tramitação do Projeto do Estatuto das Famílias,[9] que busca o reconhecimento do conceito plural de família, acolhido pela Constituição Federal e definido pela Lei Maria da Penha como uma relação íntima de afeto.

Diante deste quadro a Ordem dos Advogados do Brasil criou Comissões da Diversidade Sexual em todas as Seccionais e em inúmeras Subseções, bem como uma Comissão no âmbito do Conselho Federal. Um grupo de juristas elaborou o Estatuto da Diversidade Sexual e propostas de emenda constitucionais. O projeto também contou com a colaboração dos movimentos sociais. Tem a estrutura de um microssistema, como deve ser a legislação voltada a segmentos sociais vulneráveis. Estabelece princípios, garante direitos, criminaliza atos discriminatórios e impõe a adoção de políticas públicas.

Diante da enorme repercussão alcançada pela Lei da Ficha Limpa, foi desencadeado um movimento para angariar adesões para apresentar o Estatuto por iniciativa popular. Para isso é necessária a assinatura de cerca de um milhão e meio de cidadãos.[10]

Certamente é o único jeito de driblar a postura omissiva dos legisladores que não poderão alegar que a iniciativa desatende ao desejo do povo. Não há outra forma de a sociedade reivindicar tratamento igualitário a todos, independente de sua orientação sexual ou identidade de gênero. É a primeira vez que ocorre uma movimentação social pela aprovação de uma lei que assegure direitos a lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexuais.

Não é uma proposta que deve contar com a participação somente dos homossexuais. É um projeto de cidadania para garantir direitos humanos a todos os cidadãos. Afinal, de nada adianta não ver, não reconhecer, tentar punir e até matar quem só quer ter o direito de ser feliz, seja com quem for, do jeito que quiser.  Quem tem o dever de representar o povo não pode tentar transformar em lei seus próprios medos.

[1] STJ, REsp 148897-MG, 4ª T., Rel. Min. Ruy Rosado de Aguiar, j. 10/02/1998

[2] TJRS, AI 599 075 496, 8ª C. Cív., Rel. Des. Breno Moreira Mussi, 17/06/1999.

[3] TJRS, AC 598362655, 8ª C. Cív., Rel. Des. José S. Trindade, j. 01/03/2000.

[4] Decisões disponíveis no site www.direitohomoafetivo.com.br

[5] STF, ADI 4.277 e ADPF 132, Rel. Min. Ayres Britto, j. 05/05/2011.

[6] TJSP, Protocolo nº 1209/2011, Juiz de Direito Fernando Henrique Pinto, j. 27/06/2011.

[7] STJ, REsp 1.183.378 – RS, 4ª T., Rel. Min. Luis Felipe Salomão, j. 25/10/2011.

[8] Resolução 175, de 14/05/2013.

[9]  PLS 470/2013,  elaborado pelo IBDFAM – Instituto Brasileiro de Direito de Família.

[10] Adesão à campanha pelo site: www.estatutodiversidadesexual.com.br