This article was written by guest author Teresa Arruda Alvim Wambier.* This is part of a series of opinion articles that originated in Brazil, so the original Portuguese version can be found below. 

Three observations are necessary before starting to properly address the Bill for a new Civil Proceedings Code (CPC) [1].

The first of these is that this Bill, in all its versions, has many undeniable qualities. In my opinion, the most relevant of these is that it contains provisions that give relevance to reiterated precedents of the higher courts[2] with the same purpose and others that motivate Supreme Court judges and associate judges to develop uniform case law and to keep it consistent. It is a way of combating a serious problem that afflicts almost all Latin American societies and even European countries, such as Italy: the incredible dispersion of case law (total absence of uniformity).

All versions of the bill aim to establish a visible contextualization of the Code in a broader scenario in which the Federal Constitution features as a fundamental law, and which must set the tone for the remaining provisions that make up the positive system. An attempt to simplify the existing rules is also observed, with the objective of not transforming them into another problem that the judge has to resolve, beyond their merit.

Evidently, all the above-mentioned points can be considered as qualities of the bill.

The second observation is that one must bear in mind that this Code will not resolve all the problems of Brazilian civil justice. Indeed, neither this code nor any other. The change in the law only plays a supporting role in social changes. A new binding legal instrument will merely have the ability to produce visible changes on an empirical level to some extent. In fact, the excess of litigation, which is a social problem, is indirectly responsible for the tardiness of proceedings and this is not entirely resolved through changes in the procedural rules.

However, let this not be seen as some type of disincentive to the approval of the new CPC.

The third and final observation is with respect to a criticism that has frequently been made of the current Code. It was said, and still is said, that the current CPC needed and needs to be replaced by a new Code because it has become a genuine “patchwork,” by virtue of the various partial reforms made over the last twenty years. However, the bill has already passed through various committees, after the first, of which I had the honor of being the rapporteuse.

In recent times, more specifically over the last two years, the bill has been a magnet for suggestions originating from all corners of Brazil, offered by innumerable proceduralists. There have been times when, in the course of the same week, the bill has had three different versions. Preparing lectures or giving interviews about the bill became a torment: because you needed (and need) to know which is the latest version. And the worst thing is that these versions are not officially disclosed: in other words, it is not known for certain which is “valid.”

If this phenomenon has a very positive side, it’s because the people who contributed, mainly those who were in the selection and inclusion test of the proposals sent, are highly educated jurists and have particularly good intentions, and yet, because this is a democracy, obviously what we have today is the same “patchwork” that was, and still is, so criticized. The opportunity to build a cohesive, harmonious and straightforward bill was lost.

Despite these “regrets” there is a place for certain optimism with regard to the current version of the bill.

None of the officially appointed committees or working groups that worked on the text informally, fortunately, gave in to the temptation of reducing the number of appeals as a means of making the process swifter[3].

In my view, it is extremely clear that this is not the solution. We live in a country without ethical maturity, a feature which unfortunately tarnishes all the social groups to a greater or lesser degree. How could you suppress the right to appeal?

Stimulating the creation of stable, uniform and consistent case law is certainly a better way (technique) to lead parties not to appeal, and this is much better than to suppress the appeal in itself, in certain cases.

Extremely positive amendments were made with regard to special and extraordinary appeals, making these appeals more efficient in the resolution of the underlying dispute[4]. This is certainly an efficient technique to lessen the excessive workload of our overloaded Courts. This sad situation sometimes lead to what we call here in Brazil “defensive” case law. Unfortunately, there is in our Superior courts a regrettable tendency not to hear appeals on grounds that do not, in fact, justify the refusal to analyze the party’s application. One such example is the refusal to hear the appeal because, due to a smudged stamp, it is not possible to determine whether the appeal was filed within the deadline. Our so-called “defensive” case law is made up of superior court decisions that should not exist.

The bill definitely encourages judges of all instances to refuse to judge the merits of actions and appeals: if there is a problem (litis) it has to be solved.

The same attitude must be adopted in the trial and appellate courts: with the possibility of judging the merit, the appeals and the actions, the trial or appellate court must, whenever possible, address the shortcomings that, in theory, would prevent the judgment of the dispute[5].

Provisional injunctions, as they are regulated today, have disappeared, giving way to a joint treatment of “interlocutory” remedies, which may grant provisional relief[6].

The bill admits the given fact that the judge does not currently decide based on the law which, as observed by merely reading the wording, would clearly apply to the specific case. With the system being full of vague concepts and general clauses, the new law requires analytical motivation of sentences[7].

These are, in my view, relevant changes that would be brought about by the new CPC, in the current version of the bill, these features are there since the first version of the Bill, written in 2009. This is proof that, despite the fact that the Bill accepted a large number suggestions, coming from several groups of proceduralists, these features correspond to necessities of change effectively by lawyer, judges etc.

In conclusion, one must bear in mind that new laws do not change “culture:” the psychological attitude of the operators of the law and proceedings. They must, for the expected changes to occur effectively, be accompanied by good courses in law, by quality didactic works and specially, good examples.

*Teresa Arruda Alvim Wambier is a lecturer, holds a PhD and a Masters in Law from PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo [Pontifical Catholic University]), is a lawyer, and an author of Revista dos Tribunais titles, legal imprint of Thomson Reuters in Brazil.


 

[1] All the articles mentioned in this essay are in accordance with the Global Agglutinative Substitution Amendment, which is being processed in the Brazilian House of Representatives, of October 9, 2013.

[2] Art. 520 et seq.

[3] Art. 1.007.

[4] Cf. arts. 1.042, paragraphs 2, 3, 4 and 5; art. 1.043, sole paragraph; art. 1.045, art. 1.046, art. 1.047 and art. 1.048, paragraphs 3, 9, 10 and 11

[5] Art. 282 (2).

[6]Book V, arts. 295 et seq.

[7] Art. 521 (6).

—————————————–

Três observações são necessárias antes que se comece a tratar propriamente do projeto para um novo CPC[1].

A primeira delas é a de que realmente este projeto, em todas as suas versões, têm inegavelmente muitas qualidades. Na minha opinião a mais relevante delas é conter dispositivos que dão relevância à jurisprudência reiterada dos tribunais superiores[2] no mesmo sentido e outros que estimulam os ministros e os desembargadores a construir uma jurisprudência uniforme e a mantê-la estável. Trata-se de uma forma de combater um sério problema que aflige quase todas as sociedades latino americanas e mesmo países europeus, como por exemplo, a Itália: a incrível dispersão jurisprudencial.

Todas as versões do projeto procuram estabelecer visível contextualização do Código num panorama mais amplo em que a CF figura como lei fundamental, que deve dar o tom a todos os demais dispositivos que compõem o sistema positivo. Percebe-se, também, uma tentativa de simplificar as regras, hoje existentes, com o objetivo de que elas não se transformem em mais um problema que o juiz tem que resolver, além do mérito.

Evidentemente, todos os pontos acima mencionados podem ser considerados como qualidades do projeto.

A segunda observação consiste em que se deve ter presente que este Código não vai resolver todos os problemas da prestação jurisdicional no Brasil. Aliás, nem este código e nenhum outro. A mudança da lei não tem senão um papel de coadjuvante nas mudanças sociais. Apenas numa certa medida terá um novo diploma legal o condão de produzir alterações visíveis no plano empírico. De fato, o excesso de litigiosidade, que é um problema social, é indiretamente responsável pela morosidade dos processos e isso não se resolve com mudanças nas regras processuais.

Que isso não seja, todavia, visto como algum tipo de desestimulo a que haja aprovação do novo CPC.

A terceira e última observação diz respeito a uma crítica que se se vinha fazendo com frequência ao Código vigente. Dizia-se, e, ainda se diz, que o CPC vigente precisava e precisa ser substituído por um Código novo porque se tinha transformado numa verdadeira “colcha de retalhos”, em virtude das várias reformas parciais que houve durante os últimos vinte anos. No entanto, o projeto já passou por várias comissões, depois da primeira, de que tive a honra de ter sido relatora.

Nos últimos tempos, mais especificamente nos últimos dois anos, o projeto foi uma esponja para acolher sugestões oriundas de todos os cantos do Brasil, dadas por um número incomensurável de processualistas. Houve momentos, em que, numa mesma semana, o projeto teve três versões diferentes. Preparar palestras ou dar entrevistas sobre o projeto passou a ser um tormento: porque se precisava (e se precisa) saber qual a versão do dia. E o pior é que essas versões não são divulgadas oficialmente: ou seja, não se sabe ao certo qual está “valendo.”

Se este fenômeno tem um lado muito positivo, porque as pessoas que contribuíram, principalmente as que ficaram à testa da seleção e inclusão das propostas enviadas, são juristas muito preparados e sobretudo bem intencionados, e por que isso é a democracia, por outro lado, evidentemente, o que se tem hoje é a mesma “colcha de retalhos” que tanto se criticava e ainda se critica. Perdeu-se a oportunidade de se construir um projeto coeso, harmônico e simples.

Apesar destes “pesares”, há lugar para certo otimismo em relação à atual versão do projeto.

Nenhuma das comissões oficialmente nomeadas ou grupos de trabalho que informalmente trabalharam no texto, felizmente, cedeu à tentação de reduzir o número de recursos como meio de tornar o processo mais célere[3].

A meu ver, é solarmente claro que esta não é a solução. Vivemos num país sem maturidade ética, característica esta que macula todos os grupos sociais em maior ou menor grau, infelizmente. Como subtrair à parte o direito de recorrer? O que se pode fazer é adiar o momento de exercício deste direito, como se fez no projeto, alterando-se o sistema da preclusão e deixando as questões decididas pelo juiz, que hoje são objeto de agravo, para serem impugnadas no recurso de apelação[4]. Assim, nesse caso, só aparentemente se teria suprimido um recurso. A situação ficou quase inalterada, pois a questão é e continuará sendo decidida no mesmo momento, ou seja, quando for decidida a apelação. Daí se vê por que não procedem muitas das críticas que neste ponto muito injustamente têm sido feitas ao projeto.

Alterações extremamente positivas foram feitas no plano dos recursos especiais e extraordinários, tornando estes recursos mais eficientes para resolver a controvérsia subjacente, desestimulando a lastimável jurisprudência dita “defensiva” dos tribunais superiores[5].

A mesma atitude deve haver no primeiro e no segundo grau: havendo possibilidade de se julgar o mérito, de recursos e de ações, deve o Tribunal, ou o juízo de primeiro grau, sempre que possível, relevar ou mandar sanar falhas que, em tese, impediriam o julgamento da controvérsia[6].

As cautelares tipificadas despareceram, tendo dado lugar a um tratamento conjunto das tutelas “antecipadas,” que podem ser cautelares ou satisfativas[7].

O projeto aceita o fato consumado que consiste em que o juiz, nos dias atuais, não decide com base na lei que, se percebe, à luz da mera leitura de seu enunciado, se aplicaria claramente ao caso concreto. Estando o sistema repleto de conceitos vagos e cláusulas gerais, a nova lei exige do magistrado fundamentação analítica sempre que a lei a aplicação da lei ao caso concreto não seja evidente[8].

Estas são, a meu ver, alterações relevantes que seriam trazidas pelo novo CPC, na versão atual do projeto, e que constam desde o início. Prova de que, em meio a estes desencontros gerados pela democracia, são fruto de unanimidade.

Para concluir, deve-se lembrar que novas lei não mudam “cultura”: a atitude psicológica dos operadores do direito e do processo. Devem, para que se operem efetivamente as mudanças esperadas, ser acompanhadas de bons cursos de direito, de obras didáticas de qualidade e sobretudo, de bons exemplos.

*Teresa Arruda Alvim Wambier é livre-docente, doutora e mestre em Direito pela PUC-SP, advogada, autora de títulos da Revista dos Tribunais, selo editorial da Thomson Reuters no Brasil.


 

[1] Todos os artigos mencionados neste ensaio estão de acordo com a Emenda Aglutinativa Substitutiva Global, que tramita na Câmara dos Deputados, de 09 de outubro de 2013.

[2] Art. 520 e ss.

[3] Art. 1.007.

[4] Art. 1.022 e §§s.

[5] Cf. arts. 1.042, §§ 2.º, 3.º, 4.º e 5.º; art. 1.043, § único; art. 1.045, art. 1.046, art. 1.047 e art. 1.048, §§ 3.º, 9.º, 10.º e 11.º

[6] Art. 282, §2.º.

[7] Livro V, arts. 295 e ss.

[8] Art. 521, §6.º.